A maneira de reagir ao zumbido

Quais lições podemos tirar com esta frase?

O volume do zumbido não apresenta relação com o nível de lesão (se há muita ou pouca perda auditiva) ou com a influência de qualquer causa que o paciente apresenta. A percepção do zumbido é influenciada por outras vias, como a do sistema límbico (emoção) e sistema nervoso autônomo.

 

Em torno de 80% dos pacientes com zumbido não se incomodam com o sintoma. É como ter um sinal na pele: ele existe, mas não influencia em nada na vida pessoa.

 

Os profissionais devem realizar questionários para avaliar o grau de depressão e ansiedade dos pacientes com zumbido. Quando necessário, eles precisam ser encaminhados para o profissional competente .

 

Para as pessoas que falam frases como: “Jamais vou me habituar com este zumbido. E nem quero”, “não consigo suportar mais este barulho na minha cabeça”, “é muita frustração, irritabilidade e falta de qualidade de vida por causa deste zumbido”, etc… o psicólogo com formação em terapia cognitiva comportamental poderá te ajudar muito. Converse com ele ou com o médico sobre a necessidade de um profissional psiquiatra também te avaliar e tratar.

* Todos os pacientes com zumbido devem ser avaliados por otorrinolaringologista e realizar avaliação audiológica com fonoaudiólogo. Em casos de zumbido somatossensorial, o fisioterapeuta também deverá avaliar e tratar este paciente e o dentista deverá ser acionado se necessário.

Tags :